fbpx
contato@institutoeidos.com.br

O uso do Excel na disponibilização de dados da COVID-19

1 jul 2020

O uso do Excel na disponibilização de dados da COVID-19

//
Comentários0

Sem sombra de dúvidas, a humanidade tem passado em 2020 por uma de suas maiores batalhas que o planeta já registrou. O Coronavírus desencadeou uma série de problemas mundo a fora que tem afetado não apenas a área de saúde dos países, mas também questões sociais, econômicas e até mesmo política. Em um mundo globalizado, não ter acesso a informação sobre esta pandemia também afeta cada indivíduo e não apenas uma cidade, estado ou nação.

Uma das formas que temos de saber o que tem acontecido ao redor do mundo é acompanhando os dados relativos ao avanço da doença, a quantidade de casos e o total de recuperados deste terrível vírus. Como forma de analisar os dados, diversos painéis têm sido criados e uma das formas mais práticas de lidar com isso pode ser um programa que você certamente deve ter no seu computador e, quem sabe, até no seu smartphone: estou falando do Excel.

O programa de planilhas da Microsoft reserva várias ferramentas capazes de importar, tratar e exibir resultados sobre os dados da COVID-19 e de diversos outros que estão espalhados pela internet. Através do Excel, podemos gerar painéis informativos que podem ser alimentados diretamente por dados vindos de sites ou outras fontes on-line de tais informações.

Uma das formas mais simples de se criar um dashboard sobre a atual pandemia é utilizar o Power Query, por exemplo. De acordo com a própria Microsoft, Power Query é uma é uma ferramenta que permite a conexão de dados para descobrir, conectar, combinar e refinar fontes de dados a fim de atender a necessidades com o objetivo de gerar análises. A figura a seguir apresenta o esquema que demonstra como funciona o fluxo de trabalho através do Power Query.

Figura 1 – Etapas de utilização do Power Query
Fonte: Suporte Microsoft, online, 2020.

Como vemos, a sequência de 1 a 4 apresentam as etapas entre o início da utilização até o fim com o compartilhamento da visualização gerada com os dados propostos. Na primeira etapa, é preciso realizar uma conexão com os dados, estes podendo estar no computador local, na rede local, rede externa ou até disponível na internet.

Diversas instituições disponibilizam dados sobre a COVID-19, é possível então aproveitar esses dados para gerar sua própria visualização. Um exemplo é a UFRGS (2020), assim como a USP (2020), a FIOCRUZ (2020), assim como o Ministério da Saúde (2020) e as secretarias estaduais de saúde, todos a nível de Brasil. A nível mundial temos instituições de peso como a universidade Johns Hopkins (2020) e Harvard apresentam bons resultados. Algumas destas fontes permitem o download direto de arquivos em formatos como CSV, DBF, XML e outros dados ainda estão em formato de tabelas em sites na internet, o que permite a importação para o Excel.

Para importar, podemos utilizar as opções no menu DADOS, na primeira aba temos várias formas de importar dados, ali em “Obter e Transformas Dados”, como apresentado na figura 2.

Figura 2 – Menu dados, opção Obter e Transformar Dados.
Fonte: Acevo particular

Conforme vemos na figura 2, é possível de primeira ver opção de importar arquivo em formato de texto CSV, assim como da Web. Ao clicar em Obter Dados, também é possível escolher entre dezenas de fontes de dados distintas.

Que tal aprender Excel de verdade? Temos um curso perfeito para você. Já aprovado por mais de 14 mil alunos matriculados. CLIQUE AQUI para saber mais.

Para utilizar os dados, caso eles estejam em um formado de arquivo como .XLSX ou .CSV, é possível importar acessando INSERIR > OBTER DADOS e escolher o formato Excel ou CSV. Caso os dados estejam em um site na internet, em uma tabela por exemplo, escolha a opção DA WEB. Uma busca pode ser feita no Google por “Dados COVID-19”, cujo resultado apresentado em resumo pela própria plataforma já apresenta resultados tanto em gráficos como os dados em tabela. Ao copiar a URL do resultado, é possível importar para dentro do Excel os dados pela janela de Obter Dados Da Web, conforme a figura 3.

Figura 3 – Obtendo dados da web
Fonte: Pesquisa no Google.com, online, 2020.

O segundo passo é a transformação dos dados. Ao importar, o Power Query estará disponível para que você possa ver, alterar formatos e preparar os dados para serem carregados dentro de sua planilha, conforme a figura 4.

Figura 4 – Escolhendo os dados da web.
Fonte: Pesquisa no Google.com, online, 2020.

Ao clicar em Transformas Dados, o Power Query estará aberto, que se trata de uma janela que funciona como uma aplicação para tratamento de dados. Ali é possível editar os dados, inserir ou excluir colunas e dados. Após tratado os dados, clicando em Fechar e Carregar, os dados ficarão dispostos na planilha atual selecionada, dando opção da criação de visualizações por gráficos, por exemplo.

Figura 5 – Power Query do Excel.
Fonte: Pesquisa no Google.com, online, 2020.

Com os dados na planilha, sua criatividade será o limite. Podem ser adicionados gráficos, tabela dinâmica ou outros elementos visuais que auxiliam no resumo de dados e na criação de dashboards, por exemplo. Mas, isso fica para um próximo artigo.

Referências

FIOCRUZ. Observatório COVID 19. Disponível em: <https://portal.fiocruz.br/observatorio-covid-19>. Acesso em 18 Ju. 2020.

FMRP – USP. Monitoramento e análises da situação do Coronavírus no Brasil. Disponível em: <https://ciis.fmrp.usp.br/covid19/>. Acesso em 18 jun. 2020.

HARVARD DATAVERSE. Covid-19 Data Collection. Disponível em: < https://dataverse.harvard.edu/dataverse/covid19>. Acesso em: 19 jun. 2020.

JOHN HOPKINS. Coronavirus Resource Center. Disponivel em: <https://coronavirus.jhu.edu/us-map>. Acesso em 15 de jun. 2020.

Suporte Microsoft. Power Query – Visão Geral e Aprendizagem. Disponível em: < https://support.microsoft.com/pt-br/office/power-query-vis%c3%a3o-geral-e-aprendizagem-ed614c81-4b00-4291-bd3a-55d80767f81d?ui=pt-br&rs=pt-br&ad=br>. Acesso em 18 jun. 2020.

UFRGS. Mapa COVID 19. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/sig/>. Acesso em 19 jun. 2020.

 


Por Daniel Brandão
Professor e consultor em dados e sistemas.

  

Deixar uma Resposta